sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Amigo secreto postal


Atenção, galera do 7° ano!


A nossa atividade de fim de ano é a seguinte: em classe, cada um recebeu por meio de um sorteio o nome e o endereço de um colega.
Cada um deve escrever uma carta ou um cartão de natal para o colega que sorteou e enviar pelos correios.

Não esqueça que a carta deve conter as características de uma correspondência: local e data, saudação, desenvolvimento, despedida e assinatura.

Quem me tirou, capriche no visual!!!
muitos beijos!!!


terça-feira, 17 de novembro de 2009

Relações entre textos: 9° ano

Oi, pessoal!!

Em classe, lemos dois poemas de diferentes
épocas, mas que conversam entre si: Satélite, de Manuel Bandeira e Plenilúnio, de Raimundo Correia. Ambos tratam do mesmo tema e, o de Bandeira deixa explícito o seu diálogo com quem o antecedeu.

Observamos, ainda, que Raimundo Correa, poeta romântico e parnasiano, expressa a idealização da natureza, emprestando-lhes atributos humanos, o que faz parte do ideário literário do Romantismo e do Parnasianismo. Em Satélite, Manuel Bandeira se contrapõe a essa concepção como representante do ideário modernista da literatura brasileira.

Agora, é a vez de vocês: Escolham um ser, objeto ou fenômeno natural e criem dois textos. No primeiro, caracterizem o objeto de maneira realista, sem fantasias; no segundo, deem ao texto um tom sentimentalista e faça uso de figuras de linguagem para caracterizar o objeto escolhido.


Abaixo, os melhores textos produzidos em aula. Boa lei
tura!

A Dona Branca
A camada de pó divina, bela e misteriosa, deitando-s
e sobre os artefatos preciosos da nossa memória. Ela estará sempre lá, por toda a eternidade, não importa o quanto você tente livrar-se dela. Quase que majestosamente, ela mergulhará itens em lindas trevas brancas, de maneira quase maternal e protetora, não importando a idade de seu protegido: seja uma foto antiga daquele ente querido, seja um computador de última geração. A dona branca não possui preconceito algum. Seus braços estarão sempre abertos para acobertar a tudo e atiçar os mais sensíveis narizes.

A poeira
A poeira nada mais é que uma camada de pó que se acumula sobre os objetos. É extremamente inútil e sem propósitos, cuja única função clara é causar alergias e trazer ma
is dores de cabeça aos maníacos por limpeza. Não faz nenhuma diferença no mundo, sequer faria falta se desaparecesse definitivamente.

Isabor M. Quintiere





Azar em quatro patas
Sete anos de azar
Divididos em quatro patas
Difícil é escapar
De tantos gatos e gatas

Animal de fama ruim
Seja de raça ou vira-lata
Se for preto do inicio ao fim
A sua sorte ele mata.

Lucas Soares



Simplesmente gato
Sem mistério, um simples gato
Siamês, angorá ou vira-lata
Bicho de quatro patas
Só mais um bicho de quatro patas

Rabo que balança sem sedução
Incomoda, acha que me chama atenção
Nada, é só um gato
Só mais um gato

No meio de tantos mitos
Finge ter sete vidas
Engana os olhos daqueles
Que acreditam em suas mentiras.

Gato, simplesmente gato.

Maria Alencar Barreto

O mar

Sempre majestoso, espelho azul

Às vezes alto, fundo, imprudente

Às vezes baixo, raso, tranquilamente

Com suas ondas faz todo um espetáculo, de norte ao sul.

Ao cair da noite, se transforma em escuridão

Se mistura com o céu estrelado

Em sintonia, como em uma bela canção

Mar dos apaixonados, mar dos solitários, mar querido.

Mar

Mar, vaso sanitário do mundo

Depósito de lixo, depósito imundo

Sua cor verde-azul é uma mistura salina

visivelmente, só porcaria.

Mar, daqueles que não sabem preservar

Que matam, poluem, destroem

Que simplesmente não se pode confiar

Mar de perigos, mar de mal-educados, mar poluído.


Juliane Rolim

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Textos prescritivos - 8° ano

Entre os textos que orientam ou levam o leitor a agir de certa maneira estão as leis e regulamentos.
Em classe, estudamos alguns fragmentos da Constituição Brasileira, do Estatudo da Criança e do Adolescente - ECA - e do Estatuto do Idoso.

Como atividade, vocês deveriam escrever uma lei que regulamentasse o comportamento em sala de aula e, confesso, fiquei surpresa com o tamanho do rigor!

Abaixo, segue um dos textos que ficaram muito bons, do aluno Lucas Barbosa do 8° ano/manhã.

Regulamento da classe do Oitavo ano manhã

Eu, Lucas Barbosa Magalhães, faço saber que a classe decreta e eu sanciono as seguintes leis:

Título I
Horário de chegada e de saída

Art.1º. Todos os alunos devem chegar pontualmente às sete horas da manhã.
Art.2º. Os alunos que chegarem com mais de dez minutos só entraram com a permissão do professor na segunda aula e levaram uma notificação.
Parágrafo único. Os pais dos alunos que se atrasaram podem justificar o atraso e se o motivo for justo o aluno não sofrerá penalidades.
Art. 3º. Os horários de saída devem ser cumpridos, a não ser que algum aluno necessite ir para casa mais cedo por motivos justificados pelos pais.

Título II
Uso do Uniforme

Art.4º. É obrigatório o uso do uniforme completo (camisa, bermuda ou calça e tênis) nos dias de aula.
Parágrafo único. Caso o aluno não compareça com o uniforme completo, ele deverá ter um bilhete dos pais ou responsáveis justificando a falta do uniforme. Se o aluno não estiver com o bilhete em sua agenda será punido com uma advertência.
Art.5º. O aluno que estiver machucado não precisa usar o uniforme completo, desde que seus pais confirmem que ele não pode usar o uniforme fazendo contato com a escola.

Título III
Uso de eletrônicos em sala de aula

Art. 6º. É proibido o uso de qualquer aparelho eletrônico em sala de aula.
Art. 7º. O professor poderá confiscar qualquer aparelho (que não foi pedido pelo professor) em cima das carteiras. Este eletrônico só será devolvido aos pais do aluno, que será notificado.
Parágrafo único. Os alunos que precisarem estar com celulares em sala de aula, desde que este esteja desligado ou silencioso e se precisarem atender uma ligação importante poderam sair da sala de aula temporariamente.

Título IV
Comportamento

Art. 8º. Um aluno pode levar até três reclamações do professor a cada dia. Se as reclamações ultrapassarem este número, o aluno será mandado para diretoria, que será obrigada a ligar para os seus pais.
Art. 9º. Quando um aluno estiver atrapalhando a aula o professor deverá tirá-lo de sala e mandá-lo para a diretoria, onde ele ficará fazendo atividades durante a aula e o intervalo.
Art. 10º. Se um aluno levar mais de três advertências do professor, a diretoria será obrigada a suspendê-lo por três dias.
Art. 11º. O aluno que levar quatro suspensões será chamado para uma reunião, onde os pais devem vir conversar com a diretoria da escola. Se a conversa resolver o problema ele não será expulso, mas se o aluno continuar com o comportamento ruim será expulso.

Título V
Atitudes na classe

Art. 12º. É proibido desrespeitar os colegas de classe. Qualquer atitude de bullying será punida com advertências, suspensões e até uma expulsão.
Art. 13º. As brigas entre colegas serão punidas com uma reunião com os pais dos alunos que brigaram e tarefas extras por duas semanas.
Art.14º. Qualquer aluno que sujar a sala de aula será obrigado a limpar e deixar a sala no estado em que ela estava.
Art.15º. Qualquer aluno que colar ou passar cola na hora da prova, terá sua avaliação tomada e não terá a reposição nem a recuperação, no caso de estar com média baixa.

Intertextualidade - 6° ano

Vocês conhecem bem a história da Chapeuzinho Vermelho, aquela menina que encontra com um lobo no caminho que escolheu para a casa da vovó.



Agora, apresento a vocês outras versões que dialogam com essa mesma história para a gente discutir em classe como elas se identificam ou se distanciam do conto original.

Fita verde no cabelo - Guimarães Rosa




O Lobo Mau e o Chapeuzinho Vermelho - Gilles Eduar
- Bom dia, Lobo Mau.
- Bom dia, Chapeuzinho.
- Vamos para casa da minha vó?
- Eu é que não!
- Vamos lá, estou levando uma torta.
- Já conheço essa história.
- E então?
- Melhor não.
- O Caçador vai estar lá.
- E você quer que eu vá?
- Se você não comer ninguém ...
- Agora só como verdura com tofu.
- E torta?
- Pode ser.
- Vamos apostar uma corrida?
- Não, vamos andar juntos.
- Você tem medo?
- Não quero virar defunto.
- O Caçador abandonou a espingarda dele.
- Ele não caça mais?
- Não. É namorado da vovó.
- Ela gosta de animais?
- Que nem eu gosto de você.
- Então vamos, coração.
- Vamos, dê-me sua mão.

Chapeuzinho Amarelo - Chico Buarque


Magali em Chapeuzinho Vermelho

MOCAC 2009 - Paraíba sim senhor!